segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Precisamos falar mais da representação dos nosso corpo!


O corpo, na minha área de trabalho, é o objetivo de estudo mais completo que podemos ter. Seu interior e suas formas oferecem o ponto de partida do nosso trabalho, é motivo  e circunstância da pratica profissional.

Lançamos luz a ele sempre, diariamente. Aprendemos a mensurá-lo, a avalia-lo, a conduzi-lo. Na nutrição, assim como nas demais áreas médicas, o universo se resume nele.  

Não a toa, discutir sobre o corpo não me parece novo... E embora constantemente desafiador, me até mesmo óbvio. No entanto, me parece que a cada dia que passa, se torna ainda mais necessário colocar "o corpo" em nossas considerações: não somente no plano das ciências da saúde.

As representações do corpo são tão comuns que aprendemos a percebê-las como ele mesmo e, por não discutirmos a respeito, isso fica quase que implícito em toda representação. 

Posso explicar melhor?
Pois bem... A atriz da novela, que fica de sapato de salto, maquiagem e cabelo arrumado dentro de casa, não é talvez, representante da maioria de nós, quando passamos o dia no lar... Do mesmo modo que as curvas da moça do comercial de lingerie também não seja (nem do de cerveja, do de pasta de dente...)... Do mesmo modo que a barriga tanquinho da cantora que teve nenê a 4 meses também não seja... Do mesmo modo que a figura de mulher na capa da revista feminina (que insiste em se reportar como uma de nós, uma amiga), também não seja... E por aí segue! 

Claro, não é somente a representação do corpo da mulher, mas meus caros, nosso corpo é indubitavelmente mais representado do que dos homens e, toma formas ideais e duvidosas nessa representação. 

Miriam Golbemberg, antropóloga e autora, em alguns de seus estudos, diz que essa representação distorcida das formas corporais, leva ao que chamou de "desejo de ser corpo" - que na verdade é uma aspiração, uma vontade, de se ter curvas que nos são expostas como "o corpo, de fato", mas que não são o são na "vida real".
Acho as considerações de Goldemberg absolutamente pertinentes, e me apoio nessa definição para reiterar que sim, precisamos discutir mais sobre a representação dos nossos corpos. 

Precisamos discuti-lo para que, sobretudo, tenhamos consciência de elas são o que são: representações. Talvez, com essa consciência, entenderíamos que representação não é corpo, é ideal e expectativa. Uma expectativa que nos é ensinada dia-a-dia e um ideal que passa a fazer parte de nós (principalmente enquanto desejo de ser corpo).

Qual o problema deste ideal? 
Bom... muitos, não é mesmo?

São as tristezas permanentes na busca dos limites do corpo, as inseguranças de moças brilhantes na vida que tem nas suas formas seu ponto frágil. 
São os abusos de tempo, de dinheiro e de esforço físico, na conquista de qualidades corporais que nos ensinam que é simplesmente "o nosso corpo".
São as desordens de comportamento, as privações, os "nãos", que são vividos diariamente por nós.
É a insatisfação eterna.
É a chateação do insucesso.
É a sensação da constante incapacidade.
É o controle social da mulher pela sua forma física e o julgamento dela mesma e de todos os outro. 

O problema do corpo desejo de ser corpo, é também, e sobretudo, o ambiente social que ele gera: de competição, de euforia, de ansiedade, de desespero e de falta de prudência.

Tem Miss sendo chamada de gorda... (e notícia dizendo que ela sofreu gordofobia, sem nem ao menos se dar ao trabalho de entender o que de fato é a gordofobia);

Tem diqueira fitness dizendo para comer raspa de coco e entonar um copão de água para matar a fome (ao invés de fazê-lo comendo o lanche da tarde);

Tem médico que insiste em dietinha de 600kcal ao dia... (levando à metabolismos baixos e uma vida de grandes e privações e constante cobranças); 

Tem "Encontros" com apresentadoras que fazem apologia "as dificuldades de ser muito magra"... (porque afinal, é preciso estar dentro das formais ideais e se não estiver, a vida é uma desgraça!); 

Tem educadores físicos que postam desafios fitness e competição de "quem chega no corpão antes"... (porque a competição do esporte, chegou na forma física de todo e qualquer um, mesmo que suas preocupações sejam manter a casa em ordem, cuidar dos filhos e executar seu trabalho com destreza);

Tem colegas nutricionistas que acham que não comer a pizza no domingo à noite é uma vitória e que discutir sobre isso tudo é estímulo ao desleixo... (como se comer "normalmente" fosse desleixo só porque sabemos o caminho bioquímico que carboidratos comuns fazem no sangue);

Qual o problema...? São tantos... 
E talvez, quando conseguimos colocar o corpo em pauta, e enxergar de verdade as representações como algo diferente ao nossos corpos reais, quando conseguirmos perceber que a propaganda não vende só o produto mas a imagem ideal do que é "realidade", talvez aí conseguimos ter um pouco mais de sanidade, paz e felicidade.

Por aqui, sigo acreditando que o #foco é ser feliz! 

 

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Sim, dieta tem repeito.

A boa dieta é aquela que respeita quem a faz. 

Sim, vou usar mesmo a palavra dieta. Porque seu significado é tão bacana... Tão diferente do que dizem por aí...

Lá atrás, quando não tinha toda essa frenesi de "dieta-e-atividade-física-pra-secar", e não éramos tão rígidos com glutens e lactoses, e carboidratos não nos incomodavam tanto, a dieta, significava um estilo de vida. Uma proposta de vida, que vislumbrava uma qualidade diferente da situação, com mudanças plausíveis de serem colocadas em prática. Dieta era mudança, e sobretudo, era duradoura. 

Dieta sempre foi diferente de regime.
Não apenas por não ser "só para aquele momento", mas por não ter a rigidez como condição si ne qua non.
Norma e regimento podem sim ser estilo de vida, mas não necessariamente. E, aos meus olhos, é justamente aí que mora o bonito da dieta: ela respeita. É feita sob medida para quem quer abraçá-la - e se constrói como preciso (ou como querido). Ela é pessoal e intransferível, e tem gostos e sabores próprios.

A dieta, aquela do significado original, não é uma "fechada-de-boca" em infindáveis almoços de "grelhado-com-salada"; não se resume a um "frango-e-batata-doce" no pré-treino e um shake de proteína substituindo o jantar; e, diferente do senso comum, não é uma pilha de privações, embora se faça entre balizadores que norteiam um estilo de vida.

Dieta tem ciência, tem inclinações... Tem conhecimento, motivos e referenciais (teóricos e práticos). Tem a cara de quem a faz.

Dieta não se faz sozinha, não está na revista, no site, nem na folha impressa padrão.
Dieta tem jogo de cintura, uma cadência pessoal, uma linha de pesquisa e uma vontade de vida.
Tem sardinha para quem pode sardinha, salmão para quem pode salmão. Tem arroz-e-feijão e pão francês, tem chocolate de sobremesa, pizza no domingo a noite e boas risadas à mesa.
Dieta tem rotina, tem dias diferentes, tem exceções, aversões, crenças e religiões.


Sim, dieta tem respeito.